Arquivo mensal: janeiro 2012

Deslocando-se pela Turquia

Padrão

Nossa viagem ficou dividia assim: 6 noites em Istambul, 2 noites em Bodrum, 3 noites em Kusadasi, 1 noite em Izmir, 2 noites em Goreme, 1 noite em Istambul e 1 em Lisboa, para pegar o voo de volta.

Fizemos, então, Istambul-Bodrum de avião, pela Turkish Airlines, Bodrum-Kusadasi de ônibus, pela Pamukkale, Kusadasi-Izmir novamente de ônibus e pela Pamukkale, Izmir-Kayseri de avião, pela Sun Express, Nevsehir-Istambul de avião, pela Turkish.

As estradas são excelentes, não existe dificuldade para comprar uma passagem de ônibus nas estações rodoviárias, chamadas de Otogar. Boas companhias cobrem muitos destinos, as passagens são baratas e o serviço de bordo, melhor até do que a média das nossas companhias aéreas.

Olha só, equipamento de entretenimento individual:

Sem falar no serviço de bordo, com bebidas e snacks variados e gratuitos:

Precisa mais? Mesmo para quem curte alugar carro – e acho que essa opção, na Turquia, é superválida – em alguns lugares eles se tornam um trambolho. Em Istambul, não fazem o menor sentido, já que o táxi é abundante e barato; em Bodrum, as ruas têm um único sentido, de tão estreitas e os engarrafamentos, tão frequentes quanto em Istambul; para dar uma ideia, em alguns pontos, quando um carro se aproximava, precisávamos colar na parede, de lado, por conta do espaço. E de férias, quem merece gastar tempo se preocupando com um carro, não é mesmo? Na Turquia, meus votos vão para as companhias aéreas para as distâncias longas e para as companhias de ônibus, para distâncias mais curtas.

Uma realidade: a infraestrutura de transportes turca superou minha expectativa. Podem ir sem medo.

Adendo: a Roberta questionou acerca de a maioria das pessoas que viajam para a Turquia terem contratado pacotes internos para viajar pelo país. Pessoalmente, detesto pacote. Fui para Capadócia por conta própria, a agência Heritage Travel, local, comprou nossas passagens, aéreas, já que a Sun Express não vendia para passageiros cujos cartões de créditos não eram turcos. Fizemos também a reserva do hotel e do passeio de balão com eles. O site é http://www.turkishheritagetravel.com A dica foi da @carlinhaz e eu fiquei muito satisfeita.
Em Kusadasi, compramos os bate-e-volta para Ephesus e Pamukkale, mas fiquei insatisfeita com os inconvenientes de sempre: paradas despropositadas para compras e controle do nosso tempo no local. Em Ephesus foi bom ter o guia explicando tudo. Sãos os prós e contras desse tipo de solução.

 

Anúncios

Planejando o périplo turco

Padrão

Quando começamos a planejar essa viagem, considerávamos visitar Londres e combiná-la com outro lugar radicalmente diferente, para dar aquela renovada no meio da viagem. Já tínhamos feito essa experiência unindo Dinamarca e Croácia e tinha sido bastante positiva. Tínhamos 18 dias no total, o que daria mais ou menos uma semana em cada lugar, descontados os deslocamentos.

Comprei um guia sobre a Turquia. Aqui começaram os nossos problemas, por assim dizer. A Turquia é tão vasta e possui tantas diferenças entre suas regiões, que acabamos deixando Londres de lado. Quanto mais se pesquisa sobre o país, mais se constata a insuficiência dos dias de férias. Istambul é imensa e só tive consciência de que em 6 dias vimos apenas o básico quando voltamos para pegar o voo de volta para Lisboa e nos hospedamos em outro bairro.

A Turquia é dividida em 7 regiões geográficas: no interior do país tem a Anatólia Ocidental – Ancara (capital do país), Anatólia Ocidental – Capadócia, Anatólia Oriental, região do Mar Negro, do Mar de Mármara, do Mar Egeu e do Mar Mediterrâneo. Fomos para 3 regiões: Mar de Mármara (Istambul), Anatólia Ocidental (Capadócia: Goreme) e Mar Egeu (Bodrum, Kusadasi e Izmir), incluindo alguns bate-e-voltas a partir dessas cidades.

Eu posso dizer que faltaram dias. É evidente que voltei com uma noção considerável sobre o país, mas tem tanta coisa ali que dava para passar mais 18 dias visitando locais diferentes.

Nos deslocamos de ônibus e avião, já que trem não pareceu uma opção. Todos os locais, á exceção de Izmir, são bem turísticos, de modo que não tivemos dificuldade com a comunicação. Pretendo escrever uma série de posts sobre a viagem, mas como estou cursando um mestrado nesse momento, deixo a porta aberta para perguntas, caso os posts não apareçam logo :mrgreen: